Parque Nacional da Serra da Canastra

O Parque Nacional da Serra da Canastra situa-se no sudoeste de Minas Gerais, ao norte do Rio Grande - lago de Furnas e lago Mascarenhas de Morais. É composto por várias fitofisionomias do bioma Cerrado com predomínio de vários tipos de campos.

Criado pelo Decreto nº 70.355, de 3 de abril de 1972, com 200 mil hectares, sendo mais de 90.000 regularizados, preserva as nascentes do rio São Francisco e vários outros monumentos abrangendo os municípios de São Roque de Minas, Capitólio, Vargem Bonita, São João Batista do Glória, Delfinópolis e Sacramento

O Parque possui variada beleza cênica com grandes paredões de rocha onde existem várias e belas cachoeiras. Esse tipo de paisagem atrai adeptos dos esportes de aventura e do turismo contemplativo, de observação de fauna, entre outros. A região guarda muitos outros atrativos e, dentro do parque, há sinalização dos pontos de visitação que podem ser acessados de carro, por razoáveis estradas de terra, a depender das condições meteorológicas.

Os pontos mais procurados são a nascente histórica do rio São Francisco, a parte alta da Casca D'anta, cachoeira do Rio São Francisco com 186 metros de altura, e sua parte baixa. Há piscinas de água muito fresca na parte superior, antes da queda, e um mirante, onde se deve primar pela segurança, devido ao risco de acidentes.

Destacamos também a parte alta da Cachoeira dos Rolinhos, entre tantas outras; o Curral de Pedras, um curral feito amontoando-se manualmente pedra sobre pedra, que era utilizado para conter o gado durante a pernoite dos tropeiros; a Garagem de Pedras, um antigo entreposto para os habitantes do Vão dos Cândidos que subiam a chapada a pé ou em “lombo de burro” para ter acesso à estrada que ligava e liga São Roque de Minas ao Triângulo Mineiro.

O parque é um divisor natural de águas das bacias dos rios São Francisco e Paraná, neste caso contribuindo ao sul com o rio Grande e ao norte com o rio Paranaíba, através do rio Araguari que nasce dentro do parque.

As maiores altitudes beiram os 1.500 metros e em vários locais suas variações são abruptas, inclusive nas estradas, que ainda sofrem sérias intempéries e erosões na época das chuvas. Assim é recomendado o uso de veículos 4x4 em boa parte do ano.

A unidade de conservação apresenta ainda dois sítios arqueológicos em condições de preservação e segurança precários e ainda mal estudados, solicitando-se a todos o devido respeito com aquelas localidades, nada devendo ser retirado ou alterado sob pena de multa. São pinturas rupestres e outros elementos ainda não totalmente identificados.

Venha conhecer a canastra e não deixem de conhecer dois atrativos inaugurados em 2019: a Trilha do Cerrado, próxima ao Centro de Visitantes com percurso de apenas 2.300 m e as Ruínas da Fazenda Zagaia, com acesso pela Portaria 3 (Sacramento).

Fonte Site Oficial do  ICMBIO