Por que após mais de 365 dias as angústias ainda são as mesmas?

Por que após mais de 365 dias as angústias ainda são as mesmas?
Lívia Ferreira*
Em março completamosum ano do primeiro fechamento das escolas no Brasil. Um ano sem a tão necessária interação entre seres humanos ainda em formação. Um ano sem o acolhimento presencial tão fundamental dos alunos por seus professores – seres insubstituíveis, pois pais e mães, em sua maioria, não foram moldados para disseminar o ensino pedagógico. Um ano de educação meia-boca, pela metade, cujos prejuízos serão sentidos nas décadas que virão.
O argumento na época? “Fique em casa para podermos achatar a curva de contaminação, termos tempo de nos preparar e o sistema de saúde não entrar em colapso.”
Trancamos nossas casas. Tiramos nossos filhos das aulas presenciais. Choramos. Perdemos noites de sono. Demitimos pais e mães que eram arrimo de família.
Um ano se passou. E qual é o discurso agora? “Continue em casa porque o sistema de saúde entrou em colapso.”
Um ano transcorreu e não deu tempo de fazer a tarefa de casa? O lockdonwn não era para dar aos governantes o tempo necessário para enfrentar os piores dias que estavam por vir? O que foi feito com este tempo? A culpa é exclusivamente das novas variantes do coronavírus? E os desvios de dinheiro público destinado ao combate a doença? Foram as novas cepas que roubaram os recursos?

A lista de perguntas sem respostas segue quase interminável:

1- Se há 1 ano o lockdown foi combustível para demissões e falências, por que repeti-lo agora? A experiência já não mostrou que não deu certo? As contaminações não seguem batendo recordes diários? O ciclo é mais ou menos assim: fecha tudo, pessoas circulam menos, a taxa de contaminação cai, os governos liberam tudo de novo, as pessoas se excedem e se descuidam, a contaminação recrudesce e, numa canetada, tudo é fechado outra vez! E o ciclo recomeça! Isto é um lockdown eficiente? Ou estamos condenados ao confinamento até que a vacina promova a imunidade de rebanho?

2- Quanto tempo o empresário vai aguentar este puxa-encolhe? Quem tinha 40 colaboradores demitiu 15 e aprendeu a tocar o negócio com 25, vai recontratar os demitidos após o fim do lockdown? Ou são empregos que não retornam mais?
3- Do que adianta manter tudo fechado se não há fiscais para autuarem eventos e passeios clandestinos, onde jovens se infectam, retornam para seus lares assintomáticos e contaminam os parentes do grupo de risco? Não está faltando investir mais energia e recursos em fiscalização?
4- Por que desmontaram os hospitais de campanha em meio a uma pandemia desconhecida, ainda em curso, sem perspectiva de acabar? Por que custava caro mantê-los ociosos? Por que faltam profissionais de saúde que eram necessários em outras funções? Mas era preciso desmontar os hospitais? Se sim, por que a correria agora para reativá-los?
5- Por que o presidente Bolsonaro, a despeito de estar temporariamente imunizado contra um dos tipos de coronavírus, insiste em não usar máscara, não tomar vacina e promove aglomerações com multidões desprotegidas? Como chefe de Estado, ele é modelo e inspiração para muitos de seus eleitores não imunizados. Custava usar ao menos usar a máscara e “inspirar” os não vacinados a se protegerem também?
6- Por que este mesmo presidente é demonizado, apontado em pesquisa recente por 42% população como o responsável direto por todas as mortes por coronavírus no Brasil? Quer dizer que a pandemia inteira está nas mãos de uma só pessoa? Uma pessoa que não pode criar um plano nacional de combate ao coronavírus, pois é obrigada a respeitar a autonomia de prefeitos e governadores concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF)?
7- Em que pese sermos o quinto país do mundo que mais vacina contra a COVID-19, por que o Governo Federal demorou tanto para comprar os imunizantes e agora corre atrás do remédio que ele mesmo desprezou no início? Era medo da vacina? Proteção aos brasileiros contra um imunizante desconhecido? Recusa em assinar contratos de compra com cláusulas draconianas?
8- Por que até hoje não foi lançada uma campanha nacional de conscientização da população quanto aos riscos e formas de proteção contra o coronavírus? A culpa é do STF, que “amarrou” o Governo Federal? Onde estão os informativos oficiais sistemáticos desmontando fake news?
9- E por último: por que tanta gente ainda parece viver em um universo paralelo, aglomerando, festejando (o quê?!), sem usar máscaras, sem o mínimo autocuidado e respeito à saúde alheia?
Com a palavra, quem tiver DADOS TÉCNICOS e ARGUMENTOS CIENTÍFICOS para responder…
*Jornalista e editora do site Verboaria (www.verboaria.com.br)